Madrid
Weather Icon
New York
Weather Icon
Rome
Weather Icon
Lisboa
Weather Icon
C. Mexico
Weather Icon

ENCONTRADA UMA BALEIA PRÉ-HISTÓRICA DENTRO DE OUTRA

ENCONTRADA UMA BALEIA PRÉ-HISTÓRICA DENTRO DE OUTRA

Foram descobertos restos de uma baleia dentro de outra baleia gigante que viveu há 35 milhões de anos.

Encontrar um animal dentro de outro animal nem sempre é surpreendente, mas quando falamos de uma baleia, que à partida parece ser um animal pacífico, dentro de outra baleia gigante que viveu no planeta há 35 milhões de anos, a coisa muda de figura.

Foi o que aconteceu no “Vale das Baleias” (Wadi Al-Hitan), a sudoeste do Cairo (Egito). Trata-se de um local declarado Património da Humanidade devido à quantidade de fósseis de baleias antigas, todas elas incríveis, que se encontram na zona.

Durante o Eoceno, há aproximadamente 35 milhões de anos, o local era um mar pouco profundo, com todo o tipo de criaturas marinhas. Os fósseis também não costumam ser difíceis de encontrar nestes cenários. Os seus ossos encontram-se por vezes à superfície, expostos pela erosão causada pelo vento.

Descoberto em 2010, o espécime de baleia em causa tem 15 metros (Basilosaurus isis). Durante o Eoceno tardio, esta baleia gigante percorria os oceanos, alimentava-se de peixes grandes e, de acordo com as novas evidências, também devorava outras baleias mais pequenas da antiguidade, denominadas Dorudon atrox.

De acordo com o novo estudo, B. isis era uma criatura realmente temível e imensa. Foram encontrados exemplares com dimensões de 15 a 18 metros. Para termos uma ideia, as orcas medem entre 5 e 7 metros de comprimento, e as baleias-corcundas variam entre os 13 e os 16 metros.

Quando este fóssil de B. isis foi encontrado, também foram desenterrados outros fósseis, desde tubarões, a grandes peixes ósseos e baleias jovens. O novo exame dos esqueletos na zona proporcionou agora uma conclusão mais clara e apavorante: a primeira evidência direta da dieta da B. isis, que inclui o género D. atrox. De acordo com a explicação dada pelos investigadores da Universidade de Michigan e do Departamento de Geologia e Paleontologia do Egito:

“Encontramos os restos do Dorudon atrox e de peixes grandes como conteúdos estomacais num esqueleto do Basilosaurus isis. O que leva a pensar que, em vez de necrófagos, foram provavelmente predadores, tal como as orcas da atualidade”.

Tudo isto faz considerar que o mar Eoceno tardio que cobria a atual Wadi Al Hitan constituía uma zona de alimentação para o predador Basilosaurus.