Madrid
Weather Icon
New York
Weather Icon
Rome
Weather Icon
Lisboa
Weather Icon
C. Mexico
Weather Icon

100 ANOS DO NASCIMENTO DE JOHN F. KENNEDY

100 ANOS DO NASCIMENTO DE JOHN F. KENNEDY

O presidente democrata assassinado em 1963 é um símbolo das esperanças e das aspirações do seu país.

Nestes dias, a imagem e a memória do 35.º presidente dos Estados Unidos da América ganham mais força com a comemoração do centenário do seu nascimento. Conhecido como JFK, John Fitzgerald Kennedy tornou-se um mito para muitos dos seus compatriotas e um verdadeiro símbolo de esperança, deixando uma marca indelével nas aspirações e na cultura do seu país.

Licenciou-se em Humanidades pela Universidade de Harvard e foi condecorado como herói de guerra depois de salvar a sua tripulação do naufrágio do barco que comandava no Pacífico, durante a II Guerra Mundial.

Começou a sua carreira política no Massachusetts enquanto senador no congresso nacional. Chegou à presidência no dia 8 de novembro de 1960, depois de se ter imposto nas urnas ao candidato republicano Richard Nixon numa disputa eleitoral renhida. Tornou-se assim num dos presidentes mais jovens da história dos E.U.A.

O seu curto mandato foi marcado por um mundo complexo, enfrentando a tentativa de invasão da Baía dos Porcos para derrubar Fidel Castro e a Crise dos Mísseis em Cuba. Tudo isso levou a um aumento da tensão com a URSS e quase conduziu a uma guerra nuclear. Enfrentou além disso os desafios da corrida espacial que marcaram a época.

No dia 22 de novembro de 1963, os E.U.A. sofreram o magnicídio do presidente, causado pelo impacto de várias balas que lhe roubaram a vida aos 46 anos de idade. Morreu no momento em que circulava em Dallas (Texas) com a sua mulher, Jackie, um ato que permaneceria na memória coletiva de todo o mundo e que contribuiu para alimentar a polémica de uma morte suspeita.

Por ocasião do seu centenário, a imagem jovem e cheia de vida de JFK renasce na memória filantrópica norte-americana por motivo dos atos de comemoração. Um símbolo que continua vigente, perfeitamente resumido numa das passagens do seu discurso de tomada de posse: “O resplendor desse fogo pode iluminar o mundo”.